Câmara Municipal de Criciúma

Projeto PDL Nº 22/2017

Dados do documento

  1. Autores Comissão de Fiscalização
  2. Ementa Concede título honorífico de Cidadania Benemérita a Hilário Accioly de Freitas.
  3. Sessão 37ª Reunião Ordinária da Comissão de Constituição, Justiça e Redação.
  4. Prazo de Tramitação 05/12/2017

                        Excelentíssimo Senhor Presidente,

                        Senhores(as) Vereadores(as),

 

Este projeto de decreto legislativo visa a homenagear o Senhor Hilario Accioly de Freitas, com o título honorífico de Cidadania Benemérita, pelos    relevantes serviços prestados à cidade, consoante biografia anexa.

 

Desta feita, cumprindo-se os requisitos do art. 205, II, do Regimento Interno,     submete-se o respectivo projeto à elevada apreciação dos nobres Vereadores que     integram esta Casa, na certeza de que após o trâmite regular, será ao final      deliberado e aprovado na forma regimental.

 

Sala das Sessões, 31 de outubro de 2017.

 

 

 

 

Comissão de Fiscalização, Controle e Orçamentos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                        PROJETO DECRETO LEGISLATIVO PDL Nº22/17.

 

 

 

Concede título honorífico de Cidadania Benemérita a Hilario Accioly de Freitas.

 

 

 

Art. 1º Fica concedido o título honorífico de Cidadania Benemérita a Hilario      Accioly de Freitas, pelos relevantes serviços prestados à cidade.

 

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

 

Sala das Sessões, 31 de outubro de 2017.

 

 

 

Comissão de Fiscalização, Controle e Orçamentos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Filho de Diomício Freitas e Agripina Francioni de Freitas, Hilario Accioly de         Freitas nasceu no dia 4 de março de 1931, em Criciúma, no bairro Sangão. Ao lado            dos pais e dos irmãos José Francioni de Freitas, o Dite, Manoel Dilior de Freitas,       Maria Dilza Freitas Arns, Francisco Dilson Freitas e Paulo Agrício de Freitas,            construiu uma importante história no desenvolvimento econômico de Criciúma e           região.

                        Sua trajetória é marcada por muito esforço e dedicação aos estudos. Iniciou      a vida educacional na Guarda, onde o pai era agente da antiga estrada de ferro         Tereza Cristina, na época, um estudo precário que durou três anos. Aos 13 anos e com a idade um pouco avançada dos colegas, começou os estudos em Criciúma         na        escola Professor Lapagesse. Aos 16 anos foi internado no Colégio Catarinense onde começou o ginásio escolar.

 

Em setembro do ano que cursava o segundo grau, surgiu uma oportunidade      em Florianópolis, o curso 91, onde os alunos faziam os quatro anos em um só.           Para conquistar a vaga era necessário realizar uma prova. Hilario agarrou a             oportunidade com todas as forças e dos 94 aprovados o menino alcançou o             segundo lugar.

 

No ano seguinte iniciou o curso científico no Colégio Júlio de Castilhos em         Porto Alegre e durante a noite se ocupava com o curso técnico de contabilidade no        Colégio Rosário.

 

Neste mesmo ano, com apenas 19 anos, os compromissos e       responsabilidades aumentaram. Seu pai, Diomicio Freitas, havia acabado de           chegar da Europa com dois navios para fazer o transporte do carvão de suas           minas, carvão este que seria vendido a estrada de ferro Central do Brasil,           Leopaldina             Railoway e Barcas Cantareiras, que também eram movidas a carvão.

 

Nesta época foi convidado por seu pai para se transferir-se para a Cidade do     Rio de Janeiro para auxiliar na gerencia da Navecal- Navegação Catarinense Ltda.

 

Nesta época o governo brasileiro exigiu que todas as mineradoras           entregassem toda sua produção à CSN, razão que fez com que desaparecesse a           finalidade inicial da existência da empresa de navegação. Hilário então resolveu    abrir uma linha de transporte de madeira para a Argentina e no seu retorno trazia   cargas de trigo.

 

Nesta fase morava no Rio de Janeiro e trabalhava na empresa de           navegação      durante o dia, e no período noturno completava o curso de técnico em    contabilidade, ou seja, guarda livros.  Ainda neste período, na mesma faculdade,          fez       também o curso de ciências atuariais.

 

Em fase seguinte, Hilario iria se formar também em ciências econômicas,         curso feito na cidade de Curitiba, para onde precisava se deslocar semanalmente         desde o Rio de Janeiro até aquela cidade.

 

Mas a paixão pela engenharia civil falou mais alto. Aos 33 anos enfrentou o                   vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto             Alegre, e se classificou coincidentemente na 33ª posição. Concluiu os cinco anos       de        engenharia em 1969.

 

 Enquanto residia na cidade do Rio de Janeiro, Hilario soube que a CSN             tinha a opção de compra da Carbonífera Metropolitana e com uma ideia em mente           resolveu descobrir como estaria esta opção de venda.

 

No dia do término da opção de compra por parte da CSN, comunicou ao seu     pai, Diomicio, que viesse no dia seguinte ao Rio de Janeiro para formalizar a            compra da referida empresa, pois já havia conversado e negociado com os      proprietários a época, sendo que por não poder estar presente, Diomicio             recomendou que o irmão de Hilário, Dite Freitas, juntamente com Hilario o         representasse nas negociações da compra das ações da referida empresa.

 

 

 

Como curiosidade para aqueles que conhecem o lugar, quando Hilário    gerenciava os negócios da família Freitas no Balneário Morro dos Conventos,             construiu lá, na condição de engenheiro civil, seu famoso Yate Clube, sendo seu           primeiro presidente, assim como construiu também os Edifícios Criciúma e             Araranguá,      além de sua inesquecível boate, que foi inaugurada pela famosa cantora Elis     Regina.

 

Nestes anos também elegeu-se vereador pela cidade de Araranguá,       enquanto         seu pai Diomicio se elegia Deputado federal por Criciúma, na antiga         UDN.   Empreendedor e homem de visão fundou diversas empresas tais como,           Construtora Conventos, Xanahi-Participações Ltda e, especialmente, a Industrial         Conventos, hoje a ICON Equipamentos e Moldes.  

                                                        

Outra iniciativa que rende bons frutos até hoje, foi a parceria com o Bairro da     Juventude e Satc. Com foco na responsabilidade social e formação de alunos, o      também professor de matemática da Fucri, foi um dos percussores do ramo            industrial metal mecânico. Centenas de alunos saíram capacitados das escolas             técnicas e encontraram nas empresas da família Freitas, uma oportunidade para           construir a carreira profissional.

 

Também foi em Criciúma que Hilario constituiu a sua família. Pai de cinco filhos,           dentre eles, Maria Accioly Benedetti, Thales Rogério de Freitas (em memória), Ronaldo        Accioly de Freitas, Themines Agrício de Freitas e Nicole Freitas Andrade, ele continua   na cidade e não perdeu o espírito empreendedor. Segue supervisionando os negócios            da família e participando ativamente da evolução das empresas ICON. 

 

 

 

 

 

 

 

Movimentações

Data Ação Descrição
17/11/2017 16:42:52 Encaminhado Com parecer pela legalidade e constitucionalidade. Prazo: 28/11/2017 Destinatário: Comissão de Constituição, Justiça e Redação Anexos:
parecer-no-461-concede-titulo-honorifico-de-cidadania-benemetrica-a-hilario-accioly-de-freitas-5a0f2dee8b0ac.doc
16/11/2017 15:24:59 Encaminhado Lido em Plenário, em 14.11.17. Prazo: 22/11/2017 Destinatário: Assessoria Jurídica Recebido: 17/11/2017 16:42:52
14/11/2017 13:24:15 Encaminhado Para leitura em plenário. Prazo: 23/11/2017 Destinatário: Consultoria Técnica Recebido: 16/11/2017 15:24:59 Anexos:
pdl022-5a0b0b96de2b4.pdf
14/11/2017 13:24:14 Entrada Destinatário: Secretaria